A imprensa Oficial do Estado do Amazonas foi criada pela Lei n°01, de 31 de agosto de 1892, no governo do engenheiro Eduardo Gonçalves Ribeiro, que logo após sua criação designou o engenheiro Armênio de Figueiredo para dirigir a construção do prédio, onde deveria funcionar a Imprensa Oficial, e o local, escolhido para a edificação, foi o mesmo onde hoje funciona o BRADESCO e por vários anos funcionou a Agência do BEA na Av. 7 de Setembro no centro de Manaus. O engenheiro Armênio de Figueiredo era na época, o Diretor da Repartição das Obras Públicas do Amazonas.

Em sua primeira edição, o Diário Oficial circulou com oito páginas, no dia 15 de Novembro de 1893, dia em que se comemorava o quarto ano da Proclamação da República, e onde na primeira página foi publicado o decreto n°037 de 08 de novembro de 1893, criando e regulamentando a Repartição de Terras.

Os três primeiros exemplares do Diário Oficial foram impressos em tecido de cetim e oferecidos pelo Governador Engenheiro Eduardo Gonçalves Ribeiro, ao Capitão Tenente João Pereira Leite, Comandante da Flotilha; ao Tenente Coronel Geografo de Castro Silva, Comandante do 36° Batalhão de Infantaria, e ao Barão de Juruá, Vice-Governador do Estado, cujo nome completo era Guilherme José Moreira.

O preço da assinatura do Diário Oficial na época de seu lançamento, era de 12$00 réis por ano, para entrega na Capital-Manaus e 15$00 réis para entrega no interior do Estado do Amazonas.

O Diário Oficial testemunhou a fase áurea da borracha, a inauguração do Teatro Amazonas em 31-12-1896, a guerra dos Canudos em 1897, a morte do Governador Engenheiro Eduardo Gonçalves Ribeiro, em 14-10-1900, a inauguração do Porto de Manaus em 17-01-1909, o bombardeio de Manaus em 08-10-1910 a Junta Governativa da Policia Militar em 1912, a compra do Palácio Rio Nego para ser a sede do Governo em 1918, a revoluçãoTenentista de Ribeiro Júnior em 23-07-1924, a posse do Interventor federal Dr. Álvaro Botelho Maia e a extinção da Policia Militar em 1930, a batalha de Itacoatiara em 1932, a implantação da Zona Franca de Manaus em 28-02-1967, a visita do Papa João Paulo II em 1980, a proclamação da Nova Constituição Estadual em 1989.

A imprensa Oficial do Amazonas continua firme em sua missão de divulgar os atos oficiais que representam a transparência dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, sendo hoje uma Autarquia que se auto-financia através da venda de publicidade legal no Diário Oficial e venda de serviços gráficos para Orgãos Públicos.

Vale salientar que as publicações do Poder Judiciário são feitas gratuitamente por determinação do artigo 1216 do Código do Processo Civil, Lei n°5.869, de 11-01-1973.

Hoje, o Diário Oficial é impresso em modernas máquinas CTP, offset e acompanha a evolução da tecnologia, já estando com o seu site na Internet www.imprensaoficial.am.gov.br onde pode ser consultado gratuitamente por toda população.