O governador do Estado, Amazonino Mendes, anunciou, na tarde desta quinta-feira (22/3), durante visita a evento sobre Inteligência Artificial promovido pelo Samsung Ocean Manaus, na Escola de Tecnologia da Universidade do Estado do Amazonas (EST/UEA), que vai criar uma secretaria especial voltada para pensar o futuro do Estado do Amazonas. “Vamos aproveitar o ensejo de sermos um polo de eletroeletrônicos e vamos transformar isso aqui num HUB de inovação tecnológica internacional”, afirmou Amazonino.

De acordo com o governador, a alternativa para enfrentar os problemas decorrentes da fragilidade da Zona Franca de Manaus passa pelo avanço na área da tecnologia. “Está havendo uma verdadeira revolução. A inovação chegou com força e nós somos aqui um centro avançado de tecnologia. Na verdade, hoje a indústria é 4.0 e nós precisamos correr e preparar o Amazonas do futuro”, declarou o chefe do Executivo do Estado.

Amazonino aproveitou a oportunidade para agradecer e elogiar a iniciativa da empresa coreana Samsung, em parceria com a Universidade do Estado do Amazonas.  “Eu estou feliz porque esse encontro está sendo formulado pela UEA, que nós criamos. E pela Samsung, que eu atravessei os continentes para ir lá, buscar e trazer para cá”, disse ao lembrar que foi durante seu governo que a universidade estadual foi criada e a multinacional coreana se instalou no Polo Industrial de Manaus.

O governador assegurou que essa busca por parceria estrangeira no desenvolvimento de uma chamada “Inteligência Amazônica” vai continuar. “Nós queremos fazer aqui um HUB de encontro de inovação. Vou criar uma secretaria específica só para isso, que é para o nosso futuro. Vamos conversar com parceiros, China, Japão, EUA, Coreia. É por aí o caminho! Vamos desenvolver esse avanço tecnológico. Esse é o meu papal como governador”.

Tecnologia 4.0 – Em conversa com estudantes que participavam do evento de tecnologia, Amazonino lembrou o objetivo ao criar a Universidade do Estado do Amazonas, em 2001, durante seu terceiro mandato. “Quando criamos a UEA foi sonhando com a possibilidade de criarmos uma massa crítica, pensante, capaz de mudar esses hábitos e costumes, alavancar, revolucionar, mudar. O tempo passou e o mundo vem atropelando. Hoje a tecnologia é 4.0”, observou.

“Lá atrás eu fiz a UEA, agora eu quero percorrer o caminho para a libertação dos jovens ao criarmos vínculo com o futuro que está chegando”, afirmou o governador do Amazonas, destacando a importância da Universidade do Estado do Amazonas nesse processo. “Eu sonhei que a UEA fosse uma inteligência amazônica. Vamos levar a UEA para esse caminho. Não queremos que a UEA seja igual às demais universidades brasileiras. Nós estamos na Amazônia, um mundo à parte. É tudo diferente”, ressaltou.